News

Chefe da OTAN condena comentários de Trump

O ex-presidente dos EUA desafiou os aliados de Washington na OTAN por não pagarem a sua parte nas defesas do bloco.

Os comentários depreciativos do ex-presidente dos EUA, Donald Trump, sobre o facto de os membros da NATO não pagarem a sua parte nos custos de defesa do bloco colocaram toda a aliança em risco, alertou o secretário-geral da NATO, Jens Stoltenberg, num comunicado no domingo.

“Qualquer sugestão de que os aliados não se defenderão mutuamente mina toda a nossa segurança, incluindo a dos EUA, e coloca os soldados americanos e europeus em maior risco”, disse ele, reiterando que o bloco permaneceu “pronto e capaz de defender todos os aliados.”

Qualquer ataque a um país membro da NATO desencadearia uma “resposta unida e contundente”, Stoltenberg prometeu.

Consulte Mais informação

Confronto OTAN-Rússia “poderá durar décadas” – Stoltenberg

“Espero que, independentemente de quem ganhe as eleições presidenciais, os EUA continuem a ser um aliado forte e empenhado da NATO”, ele adicionou.

Falando a uma multidão na Carolina do Sul no sábado, Trump sugeriu que Washington poderia deixar um membro da NATO que não tivesse pago as suas quotas de membro à própria sorte no caso de um ataque, a fim de ensinar uma lição sobre responsabilidade fiscal.

“’Você não pagou? Você é delinquente?’” o ex-presidente lembrou-se de ter se dirigido à nação não identificada. “’Não, eu não protegeria você. Na verdade, eu encorajaria [Russia] para fazerem o que diabos quiserem. Você tem que pagar. Você tem que pagar suas contas.’”

Os membros da NATO comprometeram-se em 2014 a gastar 2% do seu PIB na defesa até 2025. Apenas 10 dos 30 membros do bloco tinham cumprido essas obrigações e 13 estavam a gastar 1,5% do PIB ou menos no ano passado, de acordo com as suas próprias estimativas.

Embora grande parte da discussão mediática sobre a suposta ameaça de Trump a tenha enquadrado como um desafio para os Estados Bálticos e a Polónia, Varsóvia na verdade liderou o bloco em termos percentuais de contribuições para a defesa no ano passado, pagando 3,9% do seu PIB – mais do que a doação de 3,49% de Washington. A Estónia, a Lituânia e a Letónia também deram mais de 2% no ano passado, colocando todos eles bem fora do alcance de qualquer ameaça de lapso na defesa mútua sob outra presidência de Trump.

O Primeiro-Ministro polaco, Donald Tusk, manifestou, no entanto, preocupação com a “guerra quente” na fronteira do seu país com a Ucrânia, questionando se os EUA mostrariam “total solidariedade com outros países da OTAN neste confronto que promete durar muito tempo com a Rússia”.

As suas palavras ecoaram as do próprio Stoltenberg numa entrevista ao Die Welt da Alemanha no domingo, na qual o chefe da NATO instou os membros a aumentarem a produção de armas para níveis de guerra, a fim de se prepararem para uma “confronto” com Moscou “isso pode durar décadas.”

O presidente russo, Vladimir Putin, negou repetidamente que o seu país esteja interessado em atacar qualquer país da NATO, mesmo a Polónia ou os países bálticos. Na semana passada, ele disse ao jornalista Tucker Carlson que eram os governos ocidentais “tentando intimidar a sua própria população com uma ameaça russa imaginária”.

source: www.rt.com

Related Articles

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

Back to top button