News

Manifestantes paquistaneses bloqueiam rodovias para protestar contra resultados eleitorais

O partido Paquistão Tehreek-e-Insaf, do ex-primeiro-ministro Imran Khan, e seus afiliados conquistaram o maior número de assentos na contagem final publicada no domingo.

Milhares de manifestantes bloquearam estradas e iniciaram uma greve de um dia para protestar contra os resultados das eleições gerais da semana passada no Paquistão.

As manifestações de segunda-feira seguem-se ao anúncio dos resultados finais da votação de 8 de Fevereiro, com tensões elevadas no meio de alegações de fraude e adulteração eleitoral, e intensa incerteza sobre a formação do próximo governo.

O partido Paquistão Tehreek-e-Insaf (PTI) do ex-primeiro-ministro Imran Khan e seus afiliados conquistaram o maior número de assentos na contagem final publicada no domingo, garantindo 95 dos 264 assentos. O partido Liga Muçulmana do Paquistão-Nawaz (PML-N), do ex-primeiro-ministro Nawaz Sharif, ficou em segundo lugar, com 75 assentos.

Sem que nenhum partido obtenha a maioria, estão em curso negociações complexas sobre a formação de um governo de coligação que escolherá o próximo primeiro-ministro do país.

Com dezenas de resultados eleitorais enfrentando desafios em tribunal, o Paquistão tem semanas de incerteza política pela frente.

Apoiadores do partido Paquistão Tehreek-e-Insaf (PTI) do ex-primeiro-ministro Imran Khan protestam contra a suposta distorção dos resultados das eleições nacionais, em Peshawar, Paquistão, em 12 de fevereiro de 2024 [Abdul Majeed/AFP]

Em meio a essas negociações complicadas, persiste a controvérsia sobre as alegações de fraude eleitoral. O PTI também protesta que Khan não pôde concorrer às eleições devido a condenações criminais, algumas das quais foram aprovadas pouco antes da votação.

Ao lado de outros partidos, o PTI recusou-se a aceitar a derrota em dezenas de círculos eleitorais, alegando adulteração de votos.

Milhares de pessoas saíram às ruas no fim de semana em Lahore, onde dezenas foram presas. Na segunda-feira, o partido organizou novos protestos e uma greve.

Um porta-voz do governo na província do Baluchistão, Jan Achakzai, instou os manifestantes a “demonstrarem graça” aceitando a derrota e saindo das estradas.

A polícia já tinha avisado anteriormente que iria atacar duramente as reuniões ilegais e citou uma ordem da Secção 144, uma lei da era colonial que proíbe reuniões públicas.

“Alguns indivíduos estão incitando reuniões ilegais em torno da Comissão Eleitoral e de outros escritórios do governo”, disse um comunicado da força policial de Islamabad no domingo.

Interactive_ALL PM no PAQUISTÃO DESDE 1988
(Al Jazeera)

“Ações legais serão tomadas contra reuniões ilegais. Deve-se notar que solicitar reuniões também é crime”, afirmou.

Um aviso semelhante também foi emitido em Rawalpindi, onde funcionários da AFP viram a polícia disparar gás lacrimogéneo contra uma multidão de apoiantes do PTI que faziam piquetes num gabinete eleitoral.

Uma reunião de cerca de 200 apoiantes do PTI em Lahore foi dispersada rapidamente depois de a polícia ter entrado com escudos e cassetetes.

Entretanto, o PML-N de Sharif, que tem o apoio dos poderosos militares do Paquistão, e o Partido Popular do Paquistão (PPP) de Bilawal Bhutto Zardari, que ficou em terceiro lugar nas eleições com 54 assentos, estão a manter negociações de aliança e a discutir quem seria o primeiro-ministro.

Source link

Related Articles

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

Back to top button