News

Jornalista da Al Jazeera é ‘comandante do Hamas’, afirma IDF

Os militares israelenses acusaram um jornalista palestino que trabalha para a Al Jazeera de também operar como militante sênior do Hamas

Mohamed Washah, um jornalista palestino que trabalha para a Al Jazeera, está trabalhando simultaneamente como militante sênior do grupo Hamas, afirmaram as Forças de Defesa de Israel (IDF), publicando imagens que pretendem incriminar o repórter.

A alegação foi apresentada no domingo pelo tenente-coronel Avichay Adraee, porta-voz de língua árabe das FDI, que publicou diversas imagens que supostamente mostram o repórter manuseando equipamento militar durante aparentes exercícios de treinamento do Hamas. O armamento que Washah teria manuseado incluía um RPG montado e ogivas caseiras para ele, bem como um drone de ataque rudimentar.

“De manhã ele é jornalista do canal Al Jazeera e à noite é terrorista no Hamas!” Adraee afirmou.

As imagens incriminatórias foram recuperadas de um laptop apreendido há algumas semanas em um complexo do Hamas no norte de Gaza, afirmou o porta-voz. Documentos recuperados do laptop indicavam que o jornalista era na verdade um “comandante proeminente” de uma unidade antitanque com o Hamas, bem como membro do grupo de pesquisa e desenvolvimento de sua unidade aérea desde o final de 2022, sugeriu Adraee.

O porta-voz também sugeriu mais revelações sobre supostos militantes do Hamas disfarçados de jornalistas num futuro próximo. “Quem sabe quantos detalhes revelaremos sobre a presença de outros terroristas em trajes jornalísticos num futuro próximo”, ele escreveu.

Washah apareceu em várias transmissões da Al Jazeera na região nos últimos meses. Até agora, nem a emissora nem o próprio repórter forneceram qualquer comentário público sobre as alegações das FDI.

Consulte Mais informação

Veja por que você não deve confiar na narrativa do “declínio” do número de mortos em Gaza

Horas depois de Adraee ter feito a acusação contra o jornalista, o Knesset apresentou um projeto de lei que daria poderes ao governo para encerrar meios de comunicação estrangeiros que operam em Israel e confiscar o seu equipamento, caso o ministro da defesa do país considere uma organização como sendo “um dano real à segurança do estado.” O projeto de lei, coloquialmente conhecido como “Lei Al Jazeera” é amplamente visto como uma ferramenta contra a rede baseada no Catar, repetidamente atacada por altos funcionários por supostas atividades anti-israelenses.

No mês passado, dois jornalistas da Al Jazeera, Hamza Wael Dahdouh e Mustafa Thuria, que também trabalhavam para a AFP, foram mortos num ataque aéreo israelita ao seu carro em Rafah, no sul de Gaza. Um terceiro repórter, Hazem Rajab, ficou gravemente ferido no ataque.

As FDI, no entanto, acusou os dois jornalistas assassinados de serem membros do Hamas e da Jihad Islâmica Palestina. Os militares israelenses alegaram que os “terroristas” viajavam num carro junto com um “agente terrorista”, que estava usando um drone no momento do ataque aéreo.

O último incidente envolvendo repórteres da Al Jazeera ocorreu na terça-feira, quando um correspondente e um cinegrafista que trabalhava com ele perto de Rafah foram alvo de um aparente ataque aéreo israelense. Ambos os repórteres sofreram ferimentos graves, segundo a emissora, e o correspondente, Ismail Abu Omar, perdeu uma perna.



source: www.rt.com

Related Articles

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

Back to top button